Colunas

Comédia Romântica e as pedras preciosas de suas narrativas

Que tal navegarmos pelas águas de um dos subgêneros mais encantadores e clichês da história do audiovisual?

A comédia romântica é um subgênero cinematográfico que surgiu através da junção de dois outros gêneros, conhecidos como a comédia e o romance. Ela apresenta, dentro de suas narrativas, elementos próprios de cada um desses, tornando, assim, a comédia romântica em um dos maiores espetáculos da cultura blockbuster.

mv5bogmxnzu4mjqtzdu2yi00ywe1ltg1njetywuxyju2nzu2zdfhxkeyxkfqcgdeqxvynzi0mtk0otq-_v1_

É praticamente impossível não se deixar encantar pelas águas profundas de clichês, que, apesar de trazerem temas já trabalhados em várias outras produções, acabam tornando-se diferentes na sua mais profunda essência. Qual seria a graça de assistir uma comédia romântica, se ela apresentasse a mulher e o homem que se odeiam, porém se apaixonam perdidamente no final? A mágica desse tipo de produção está exatamente nestas questões “clichenianas”.

Ao pegarmos a narrativa de A Proposta (2009) percebemos que, por exemplo, a ideia do empregado que odeia a patroa, mas que por alguma razão se vê obrigado a conviver com ela, é bem mais comum do que nós pensamos. Entretanto, a forma como o roteiro é desenvolvido acaba tornando a produção de 2009 muito diferente das demais. O filme dirigido por Anne Fletcher traz a personagem de Sandra Bullock como uma canadense que, para não ser deportada ao seu país de origem, precisa se casar com um norte-americano. Para não ter que voltar para o Canadá, ela faz uma proposta ao seu assistente. A forma como A Proposta narra o hate-to-love difere-se das outras.

a_proposta_2009_f_018

E é aí que passamos a entender que a construção narrativa de uma comédia romântica precisa trazer um bom e velho clichê; o que vai torná-la diferente é o quezinho a mais que será acrescentado no desenvolvimento da história. Histórias que trazem o famoso friends to lovers, como é mostrado em Simplesmente Acontece (2014), acabam mostrando como a criatividade literária consegue ir longe mesmo com uma ideia tão comum. Cada uma destas produções acabam trazendo algo de novo, que acabam tornando-as bem diferentes entre si.

Simplesmente Acontece e O Melhor Amigo da Noiva (2008) trazem como foco principal a literariedade da problemática mostrada em longa-metragens que abordam a questão de amigos para a amantes. No entanto, se pararmos para observar cada uma, iremos perceber que a forma como isto é abordado é totalmente diferente, pois o desenvolvimento narrativo é diferente; e isso as torna tão iguais, mas ao mesmo tempo bem diferentes. E esse seria o maior charme de uma boa comédia romântica.

418966-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

A comédia romântica é um dos sub-gêneros mais diferentes que há, pois narrativas clichês estão mais que permitidas e são o grande charme desta. Entender o universo de uma boa comédia romântica, é entender que uma narrativa de efeito, que destruiria o roteiro de uma produção de outro gênero, acaba tornando-se a sua força motriz.

Anúncios

Categorias:Colunas

Marcado como:,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s