Filmes

Crítica | Halloween

O brilhantismo do clássico de horror dos anos 70 volta às telas com o deslumbre de suas origens.

Quarenta anos após o massacre na noite de Halloween, Michael Myers (Nick Castle) escapa da prisão psiquiátrica pronto para cometer novas atrocidades. O filme tem sua força ao recuperar seus protagonistas originais: além de Nick Castle, temos Jamie Lee Curtis interpretando Laurie Strode, a vítima sobrevivente do ataque nos anos 70.

AA68_D023_00164RV4.jpg_cmyk_2040.0

O vínculo do roteiro se estabelece na mudança que Myers trouxe para a vida de Laurie. A personagem, que, no filme original, era uma adolescente comum, tornou-se uma senhora amarga, com três casamentos falhos e que sofre as consequências da perda da guarda de sua filha em decorrência da infância conturbada da garota.

Após sobreviver, Laurie começou um treinamento de defesa pessoal, aprendendo a manusear diversos tipos de armas para quando o confronto final com Myers chegasse. Isso trouxe traumas a sua filha, Karen (Judy Greer), que não apenas se afastou, como manteve a sua família distante da mãe, por medo de reviver as paranoias criadas por Laurie.

A direção e roteiro são responsabilizados por David Gordon Green, que honra exuberantemente o brilhantismo de John Carpenter, diretor do filme de 78. A forma que a montagem atua para estruturar o pavor no espectador é sensacional, além de a sequência de cenas escolhidas ser essencial para a construção linear da narrativa, com planos que imersam o espectador no ambiente, antes de finalmente enquadrar o psicopata. A cena inicial reintroduz o serial killer para o público, nunca revelando sua face e mantendo o mistério acerca de quem é, de fato, o rosto por trás da máscara. Esse elemento reforça que Myers recebe essa faceta para evitar sua humanização, intensificando a monstruosidade por trás da caricatura.

halloween-david-gordon-green

Além disso, Jamie Lee Curtis é excepcional ao demonstrar todo o remorso e fúria de sua personagem, sem deixar que momentos de insegurança passem despercebidos. Podemos perceber que Laurie, ainda que seja uma personagem extremamente forte, se fragiliza com a possibilidade de perder sua família.

A música original de Carpenter é reencenada a todo vapor, mudando, inclusive, o ritmo em certos momentos. Uma nostalgia fantástica para os fãs de Halloween (1978).

Assim, a sequência de Halloween é um filme que não apenas faz jus ao seu original, como também honra a atmosfera de terror do cinema entre os anos 70 e 80. É uma obra assustadora, que não apela para sustos não-necessários e que retém o medo de seu público ao protagonista.

Halloween estreia amanhã nos cinemas de todo o Brasil, e você pode conferir o trailer abaixo:

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s