Colunas

Bandersnatch e a influência filosófica

Feito para fãs compulsivos, Bandersnatch é uma obra irritantemente fantástica e intrigante.

Para fins de pesquisa antes de escrever este artigo, todas as menções à palavra “bandersnatch” foram consideradas e estudadas. O resultado foi curioso: literatura, televisão, música, games, e até mesmo a ciência retornou à primeira menção, por Lewis Carroll, que nomeou de Bandersnatch uma criatura violenta e selvagem em seu poema A Caça ao Snark (1876), cuja narrativa também tornou-se peça teatral.

É interessante observar que tudo culmina nessa criatura, principalmente após uma análise minuciosa do mais recente filme Original Netflix, cujo título leva, justamente, o nome de Bandersnatch, embora a criatura tenha sido chamada PAX neste novo universo.

Mais uma vez, voltamos à pesquisa. Pax faz parte da mitologia romana, considerada a deusa da paz durante o governo de Augusto. Agora a pergunta: por que a tal besta selvagem em Bandersnatch leva o nome de uma deusa da paz?

siy0zw1yoz621

Se continuarmos a análise pelo viés greco-romano, identificamos mais algumas referências. Primeiro, à busca pelo autoconhecimento filosófico, com aquelas perguntas clássicas de “quem sou eu?”, “de onde eu vim?” e “para onde eu vou?”. Depois, o confronto entre criatura e criador, abordado com maior profundidade em O Mundo de Sofia (1991), em que a protagonista é libertada pelo escritor do livro em que ela é personagem, trazendo certa confusão entre o que é real e o que é ficcional. Sofia existe? O escritor é Deus? O que é a verdade?

Agora, mesclando filosofia e ciência, dá pra trazer Stephen Hawking, com as teorias dos multiversos e física quântica. Será mesmo possível existir uma mesma existência em múltiplas possibilidades, utilizando análise combinatória? Realidades com escolhas e resultados diferentes? Todas ao mesmo tempo?

Imagem relacionada

A Marvel, por exemplo, utiliza o multiverso para explorar realidades alternativas em que determinados eventos aconteceram de maneiras diferentes; para trocar o gênero das personagens; ou ainda alterar as encarnações, como a personagem nascer em outro contexto familiar, financeiro, etc.

Em Bandersnatch, há uma restrição específica: todas as possibilidades combinatórias acontecem. Portanto, o recado seria: não se preocupe com suas escolhas, porque todas as possibilidades estão sendo exploradas nas realidades paralelas a esta. Neste ponto da narrativa, entendemos o que Colin quis dizer, lá na cena em que Stefan está “no buraco”. É um buraco simbólico, como se ele houvesse se perdido no meio da galáxia, numa falha temporal que causa a repetição eterna de alguns eventos. Colin diz:

— Eu te liberto. Eu te darei o conhecimento.

Resultado de imagem para colin bandersnatch

Na cena, ele explica a Stefan tudo sobre as PAC’s, teoria da conspiração em que o governo toma o controle da vida das pessoas. A explicação vem muito antes da cena em que Stefan descobre sobre isso no cofre. No entanto, Stefan não é muito atento aos detalhes, e muito menos nós, espectadores. Desacostumamos a olhar os sinais, os enigmas. Está tudo escrito e escolhido. Temos o falso poder da escolha, mesmo com o controle remoto. Se não tomarmos uma decisão dentro de 5 segundos, a Netflix escolhe por nós. Porque a vida continua e não pausa para ninguém.

É interessante observar que Bandersnatch não possui possibilidade de avançar ou retroagir na história, a não ser que o espectador chegue ao game over ou desista do jogo para apagar as escolhas desde o início. E o mais assustador disso tudo é que, diferente da vida, existe a opção de refazer. Ao longo de nossa existência, sempre há aquela pergunta do “e se?”. E se escolhêssemos outra coisa? A que ponto teríamos chegado? O que teria acontecido e deixado de acontecer?

Imagem relacionada

Sendo tomado por toda essa tentação em testar possibilidades, Bandersnatch se torna um entretenimento sem fim, em que o jogador pode passar horas e dias reiniciando sem parar, tomado por uma angústia em testar e bolar teorias e destravar enigmas; destravar a verdade. É intrínseco no ser humano o desejo pela verdade. Nos acostumamos com linhas temporais bem definidas, independente se foi escolhida por nós, como em jogos de RPG, ou pelo escritor da obra.

A questão toda em Bandersnatch é quando entendemos que não existe linha temporal. Quando estamos para desvendar a verdade, a história que a Netflix quer contar, caímos mais uma vez “no buraco” e no looping infinito, quase presos e condenados à finalizar Bandersnatch. Da mesma maneira que aconteceu com o protagonista.

Imagem relacionada

Nós somos Stefan. Nós caímos no buraco. Estamos tentando decifrar Bandersnatch. Nós queremos finalizar Bandersnatch. Por isso a angústia, a obstinação. Porque a Netflix nos mostra o falso controle. Faz com que o espectador confronte a si mesmo,  aprenda a aceitar o destino e o que não tem como mudar. É nesse momento que nos tornamos a criatura que descobre a existência do criador.

Ainda na cena da libertação da verdade, Colin analisa o jogo Pacman, que significa “homem da Pac”. De acordo com o universo de Bandersnatch, um homem que foi pego pelas PAC’s. Pois em Pacman, a criaturinha amarela tem inúmeras possibilidades existenciais e está sendo controlada por algo e/ou alguém. No fim das contas, Pacman não tem escolha alguma, e muito menos o jogador. É o próprio jogo que conduz às possibilidades que o interessam. Quase como uma besta infernal.

Resultado de imagem para colin bandersnatch

Assim, chegamos outra vez à Louis Carroll e seu Bandersnatch, fazendo uma aparição simbólica. Com o nome de PAX, essa criatura carrega uma dualidade maniqueísta¹ dentro dela, tornando-se quase humana. PAX é a busca pela verdade, a aletheia, como diriam os filósofos gregos. No entanto, essa busca pode trazer infinitos resultados para o pesquisador; saber ou não saber a verdade é um caminho sem volta para o curioso que nunca vai aceitar aquela extraordinária citação de Sócrates:

 “Só sei que nada sei. E o fato de saber isso me coloca em vantagem sobre aqueles que acham que sabem alguma coisa”.

Resultado de imagem para Black Mirror

Então, se podemos tirar alguma conclusão sobre as múltiplas realidades de Bandersnatch é que nunca descobriremos a verdadeira linha temporal. Pelo menos, não nesta existência. Ter esta noção (ou aceitação) já traz paz. Ou melhor, pax.

Se ainda resta alguma dúvida, leia na íntegra a entrevista que David Slade, diretor de Black Mirror e do spin-off Bandersnatch, tem a dizer sobre o assunto.

¹Maniqueísta: possui a dualidade entre bem e mal.

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s