Filmes

Crítica | Deslembro

A história de Joana é uma abordagem sobre a anistia pós-ditatorial na América Latina; momento mais do que adequado para a exibição do filme.

Joana (Jeanne Boudier) é uma jovem franco-brasileira, que foi criada na França após o seu pai (Jesuíta Barbosa) ter sido capturado durante a ditadura militar no Brasil. Ela vive exilada com sua mãe (Sara Antunes), seu padrasto (Julian Marras) e seus irmãos mais novos.

O filme é desenvolvido em duas linguagens diferentes, o que se demonstra importante para a desenvoltura das personagens, visto que os irmãos de Joana são, essencialmente, estrangeiros. Um deles, filho de sua mãe com o padrasto, cresceu na França, tendo dificuldades com o idioma nativo da família, enquanto o outro, filho apenas do padrasto, é também latino.

A grande questão que envolve a trama é a da protagonista, Joana, descobrir onde está seu pai, que foi levado como prisioneiro político. Ao longo da obra, Joana tenta agrupar diversas pistas sobre o paradeiro de seu pai através de sua mãe e, até mesmo, de sua avó (Eliani Giardini) — que só conhece quando chega ao Brasil.

Quem assina a direção é Flávia Castro em sua estreia no gênero. As suas escolhas tornam o filme visualmente familiar para os admiradores de cinema brasileiro e francês. As características são consolidadas na fotografia. Cores mais esverdeadas ou avermelhadas dominam as telas, especialmente nas cenas que se passam na França, enquanto as cenas no Brasil mostram a natureza e os tipos de instalações e construções tipicamente brasileiros. O público consegue sentir a brisa das praias, florestas e riachos em seus rostos. É uma noção de enquadramento vívida.

A trilha sonora é acompanhada de grandes mestres da música, como Lou Reed e Caetano Veloso. Cenas extremamente importantes para a demarcação de desenvolvimento da protagonista são interpretadas através destas canções que verbalizam o filme.

Há uma excelente ligação entre as relações familiares e políticas durante a discussão da narrativa. O roteiro é ajustado de forma excelente para que todas as personagens possam se conectar de forma natural e fluida. Uma das ligações mais bem construídas é entre Joana e sua avó, sendo o pai sempre o elo destas novas conexões.

A co-produção de Walter Salles auxilia não apenas no peso do filme, mas também em sua desenvoltura estonteante. Assim, Deslembro (2018) é um longa de ficção que retrata a crueldade ditatorial e a importância da Lei da Anistia assinada em 1979, não apenas servindo dentro do Brasil como em uma totalidade da América Latina.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s